OPAMP MUSICBOX 31 MARÇO

A próxima edição OpAmp \/\/\ MUSICBOX LISBOA conta com curadoria de MMMOOONNNOOO que lançou o desafio de juntar num concerto 2 universos musicais totalmente distintos.
Em palco, apenas separados por um enorme amplificador, vão estar as máquinas e a electrónica de MMMOOONNNOOO e a força bruta da bateria de Joaquim Albergaria. De um lado o analógico, um instrumento tocado ao vivo, do outro lado o digital, loops de camadas e texturas sobrepostas em ruídos constantes e repetidos até ao infinito.

Apesar da origem de MMMOOONNNOOO estar no som das bandas de metal e rock pesado que fluía nas garagens dos subúrbios lisboetas, foi a electrónica pesada que o levou até ao outro lado do mundo com a Red Bull Music Academy. O seu álbum de estreia na editora Speaker Footage proporcionou-lhe a sua primeira tour internacional da qual regressou há pouco tempo. Além do trabalho de composição a solo, destacam-se colaborações com Torus, Bosaina e Lao e com os nacionais Bangkok Snobiety, Ghost Wavvves e OWWK.

Quim Albergaria é um baterista auto-didacta que deu por si a cantar. Nome incontornável da música em Portugal, em 2009 fundou os PAUS mas antes já se tinha feito notar quer como vocalista de The Vicious Five, talvez a última banda verdadeiramente irreverente e contestatária que por cá se destacou nos últimos anos, quer como baterista no trio de free-rock CAVEIRA.

O primeiro act da próxima Op \/\/\ Amp no MUSICBOX LISBOA será assim um concerto único, à base de improviso e cujo resultado será completamente inesperado.

OpAmp \/\/\ MUSICBOX LISBOA


  

M U T U A L

MUTUAL é a união de dois produtores que simbolizam, cada um, campos diferentes da música eletrónica e vêem isso como vantagem.
Compreensão, entendimento, cumplicidade só fazem sentido se o sentimento for mútuo, mas isto fica à parte da individualidade de ambos que, apesar de antagónica, dá um resultado coerente e compensador. Exploram a terra de ninguém que é a fronteira entre certos estilos musicais, num processo evolutivo que se tornou natural.
Se o território é o Techno, o Ambient é o seu relevo, criando uma textura profunda, densa, num equilíbrio frágil entre samples, arranjos de estúdio, elementos abstratos ou simples ideias que criam uma narrativa idiossincrática.

DEFLECTION // HUSH HUSH RECORDS

MUTUAL MIXTAPE // SELF-TITLED MAG

  

IVVVO

IVVVO é cada vez mais um incontestável nome da vanguarda no que à produção de música electrónica diz respeito.
Depois de começar a dar que falar pelo Porto pelas edições na também sua Terrain Ahead, foi em Londres que o seu trabalho enquanto produtor atingiu o patamar internacional com EPs e temas espalhados por editoras como Creme Organization, Danse Noir, Opal Tapes ou a nova ORO, a irmã mais nova da Hemlock Recordings.
Integrou o line-up do primeiro Boiler Room em Lisboa numa actuação que teve tanto de polémica para muitos como de genial para outros.
Livre de qualquer estilo mais redutor, produz sem qualquer barreira ou tipo de rótulo, admitindo sem qualquer problema que faz da sua música apenas o que quer e lhe apetece assumindo-o como parte integrante da sua faceta mais narcisista.
Em IVVVO, a música que compõe, é a melhor forma de mostrar as suas convicções e o que é o seu próprio mundo, dando-o a conhecer sem rodeios e para quem se digna a escutar, a sua música transforma-se na justificação perfeita para o que defende enquanto artista.

DARK ROOM 4 DANCE // CREME ORGANIZATION

IVVVO MIXTAPE // NTS RADIO

  

TERZI

O projecto TERZI, de Gonçalo Neto, começou em meados de 2009 com a vontade inerente de compreender a junção ideal entre duas músicas e como fazê-lo. Com uma bagagem musical já considerável, esforçou-se aos poucos para tentar compreender a arte da mistura, sem nunca esquecer o mais importante que é a constante audição de música nova.
Depois de 3 anos de carreira em Lisboa, a sua mudança para Braga foi um afastar de qualquer tendência mais óbvia e uma forma de compreender o meio fora do meio. Com a vontade de continuar a tocar, conseguiu, na sua nova morada, organizar uns eventos no Espaço Quatorze, o espaço mais aberto da cidade a coisas novas, onde uma vez por mês o bar tinha a sua curadoria.
Além de tudo isto dirige ainda a editora nacional Extended Records.

MONTRA #11 // BLOOP VINYL SHOP

DISCOS EXTENDES #3 // RÁDIO QUÂNTICA